A importância da modelo no mundo da moda

O início não foi nada fácil. A modelo nasceu em Kukama, Quênia, em um campo de refugiados. Dessa forma, passou por diversos campos da ONU, até que parou em Adelaide, Austrália. Lá foi vista por um caçador de talentos, que ficou encantado com a beleza e a pela retinta da modelo. Ele afirmava com convicção que o lugar  dela era nas grandes passarelas. Portanto, Adut começou a investir na carreira com apenas 13 anos. Mas foi em 2017, desfilando pela Saint Laurent, numa coleção de primavera/verão, que entrou realmente para o mundo das passarelas. Não parando desde então.  



Desfilou para várias marcas famosas como: LoeweGivenchy, Valentino e Miu Mil, Versace, Prada, Calvin Klein, GiambattistaValli, entre outras.

O ano começou com premiações para a modelo. Ganhou o Model of the Year e, em seu discurso, Adut evidenciou a importância de ter ganhado, afinal, o mundo da moda muitas vezes exclui, negligência e impõe determinado padrão de beleza. Dedicou o prêmio a meninas e meninos que nunca se sentiram representados nas passarelas. À todos os refugiados que vivem em situações, as quais parecem não ter saída. E, a todas que sonham em ser como ela. A sudanesa acreditou e nunca parou de lutar, dessa forma, ela encoraja muitas mulheres para que façam o mesmo.  

Leia Mais:Daniel Lenhardt se assusta porcentagem de votos e chora ao ver Marcela

Adut Akech

Adut Akech no The Fashion Awards 2020 (Foto: Reprodução/Corriere Della Serra Moda)


Além disso, a modelo será a capa do mês de abril para a revista Vogue, juntamente com as modelos Kaia Gerber e Ugbad. A capa tem como tema principal a beleza sem fronteiras, BeatyWithoutBorders. Busca, principalmente, apresentar a diversidade estética entre as mulheres, colocando, então, três modelos com belezas e nacionalidades diferentes. 

Adut Akech capa da Vogue 2020

Adut Akech capa da Vogue Abril 2020 (Foto: Reprodução/The Fashion Spot)


Adut é vista como a modelo que veio para revolucionar as passarelas. Afinal, mostra para o mundo que uma mulher negra, refugiada e sudanesa pode, assim como outras, ser bonita e uma modelo internacional.  

Por Marina Lemos

Imagem destacada: Anne of Conversville

Related Article

0 Comentários

Deixe um comentário