De acordo com o estudo, três meses após o contágio da Covid-19, o corpo humano pode ser novamente infectado  

Consoante estudo publicado pelo jornal The New York Times, o sistema imunológico humano não é capaz de criar resistência contra o Sars-CoV-2, vírus causador da covid-19. Isso acontece porque os anticorpos do organismo já não são mais capazes de reconhecer o vírus.  



Leia Mais: Brasileiros passarão por teste de vacina contra a Covid-19

Normalmente, o corpo humano possui uma barreira para proteger-se de bactérias e vírus: o sistema imunológico ou imunitário. Geralmente, quando o corpo se revigora de alguma doença, o sistema registra o vírus ou bactéria causadora. Posteriormente, caso infectado novamente, os anticorpos possam combater a patologia com maior facilidade, ou seja, é criada uma barreira de proteção. Porém, o mesmo não acontece com o Sars-CoV-2.

“Passaporte de Imunidade”

Em relação ao vírus Sars-CoV-2, o sistema imunológico humano pode não seguir a lógica de “Passaporte de Imunidade”. (Imagem: Reprodução/Melhores Destinos)


“Esses dados indicam os riscos do uso de ‘passaportes de imunidade’ da covid-19. Além da necessidade de apoiar o prolongamento de intervenções em saúde pública, incluindo distanciamento social, higiene, isolamento de grupos de alto risco e testes em massa“, disseram os pesquisadores responsáveis pelo estudo publicado à revista Nature Medicine na última quinta-feira (18). 

Neste caso, os passaportes de imunidade consistem na ideia de que quem já foi infectado pelo Sars-CoV-2 e já se recuperou estaria livre do vírus. Sendo assim, o indivíduo já poderia voltar a sua vida normal sem demais preocupações. Isso poderia ser aplicado em qualquer outro caso, pois, em tese, o organismo humano já teria sua barreira de proteção. Entretanto, essa lógica ainda não deve ser empregada a Covid-19.  


covid-19

Segundo pesquisador Daniel Dourado, ainda não há evidências que o sistema imunológico humano consiga criar barreiras capazes de eliminar o Sars-CoV-2 do organismo, caso o indíviduo seja novamente infectado. (Imagem: Reprodução/Estudo Prático)


Em uma entrevista concedida para a Revista Saúde Abril, o pesquisador Daniel Dourado, do Centro de Estudos e Pesquisas de Direito Sanitário da Universidade de São Paulo (Cepedisa/USP), avisa que estudos identificaram que o corpo humano até cria uma reação ao vírus, mas não há evidências de que o organismo elimina o Sars-CoV-2 em uma segunda tentativa de invasão ao organismo. 

Por: Raianne Romão

(Foto Destaque: Vírus. Reprodução/Melhores Destinos)

 

Related Article

0 Comentários

Deixe um comentário