A vacina BCG, que protege contra a tuberculose, é obrigatória para os brasileiros desde 1976

Amanhã, dia 1 de julho, é comemorado o Dia da Vacina BCG.  A vacina é utilizada na prevenção da tuberculose. A doença é transmitida pela saliva e materiais contaminados, e é causada pelo Mycobacterium tuberculosis, também chamado de bacilo de Koch.



A vacina BCG foi criada pelos pesquisadores Albert Calmette e Camille Guerin a partir de uma bactéria responsável por desencadear mastite tuberculosa bovina. Além disso, sua primeira utilização foi feita em uma criança recém-nascida de mãe que apresentava tuberculose em 1921. No Brasil, ela começou a ser usada em 1927.

A eficácia da BCG é grande, principalmente na forma que é disseminada da tuberculose. Logo, a vacina garante cerca de 78% de proteção. Vale destacar que a proteção varia de acordo com o paciente e também com o país, uma vez que as cepas utilizadas para a fabricação das vacinas variam de acordo com a localidade. Apesar da vacina BCG ter sido criada com a finalidade de proteger contra a tuberculose, estudos garantem que essa vacina também garante certa proteção contra a hanseníase.

Leia mais: Coronavírus: assuntos destaques da semana


Campanha Nacional de Vacinação contra a tuberculose. (Foto:Reprodução/Agência Brasil)


Quem pode tomar a vacina BCG?

Antes de mais nada, a aplicação da BCG é obrigatória em recém-nascidos. Logo, desde as primeiras horas de vida, é imprescindível que ele esteja protegido. Se, por algum motivo, a criança não for vacinada nos primeiros dias de vida, pode tomá-la de rotina até os 5 anos de idade. Em casos de países com altos índices de tuberculose, é recomendado a administração da vacina BCG em crianças entre 5 e 7 anos, por conta do início da fase escolar.

Covid-19 versus BCG

Atualmente, não há evidências de que a vacina BCG proteja as pessoas contra a infecção pelo vírus COVID-19. De acordo com Organização Mundial da Saúde (OMS), “dois ensaios clínicos que abordam essa questão estão em andamento e a OMS avaliará as evidências quando disponíveis. Na ausência de evidências, a OMS não recomenda a vacinação com BCG para a prevenção da Covid-19. A OMS continua recomendando a vacinação neonatal contra BCG em países ou locais com alta incidência de tuberculose“.

Por: Jesus Henrique

(Foto Destaque: Criança sem cicatriz não precisa refazer vacina BCG. Reprodução/Diário da Amazônia)

Related Article

0 Comentários

Deixe um comentário