A atriz e modelo já ouviu que nunca estaria em uma capa de revista devido à sua cor

Neste domingo (21), a colunista Fábia Oliveira entrevistou a atriz e modelo Érika Januza (35). Em suma, a artista falou sobre temas como racismo e trabalho.



A princípio, Érika foi questionada sobre os atuais movimentos sociais contra o racismo.“É um misto de sentimentos. Um de tristeza, por ver que é preciso perdermos vidas nesse processo. A conscientização poderia vir sem mortes. Por outro lado, ver que tantas pessoas estão lutando, não estão se calando. Isso preenche o coração de uma forma muito potente”, iniciou.

A atriz completou dizendo que acabou o tempo em que o negro estava aqui para servir e pediu respeito e igualdade. Em seguida, Érika disse que já sofreu vários episódios de racismo e relatou alguns episódios delicados.


Érika disse que alguns casos de racismo mexem com ela. (Foto:Reprodução/Lu Prezia)


“Já tive namorado, por exemplo, que dizia me amar, mas só ficava comigo dentro de casa. Eu não servia para andar na rua de mãos dadas com ele. Já ouvi que nunca estaria em capa de revista porque negro não vende. Essa para mim foi bem marcante. Já fui xingada no trânsito, de forma pejorativa quando viram que era uma negra no volante“. Posteriormente, a atriz disse que o racismo fere e mata diariamente.

Leia mais: Rihanna doa R$ 80 milhões para instituições que cuidam da saúde mental

Além disso, Érika Januza afirmou já ter sofrido racismo em concursos de beleza e ressaltou a importância de estimular a autoestima de uma criança negra. A atriz também deu sua opinião sobre a falta de representatividade negra na TV.

“Ainda somos uma minoria! Eu tive muita sorte nos meus trabalhos, porque pude fazer papéis que mostravam o negro em outro lugar. Nada contra interpretar uma empregada doméstica, porque é um trabalho honroso como qualquer outro, mas não dá para ver o negro sempre sendo representado nesse local. Conta na sua mão as mocinhas/protagonistas negras no horário nobre”.

Por fim, a atriz disse que o Brasil não possui medidas eficazes para combater o racismo e que isto está ficando ainda mais evidente ultimamente.

Érika Januza também falou sobre trabalho e relacionamento

Inegavelmente, a atriz deixou um mistério sobre seu status de relacionamento. (Foto: Reprodução/Instagram)


A atriz global Érika Januza deu alguns relatos sobre sua vida profissional e comentou sobre as dificuldades no início da carreira. “Eu sempre tive contrato por obra, então, cada trabalho é uma luta. As pessoas tem a falsa impressão de que você está na televisão e logo pensam que é rica. Nada disso!“.

Ademais, Érika falou sobre saída de Minas Gerais para o Rio de Janeiro. “A maior dificuldade foi deixar Minas Gerais e começar uma vida nova aqui no Rio. E sem ter a segurança de como seria o dia de amanhã. Hoje eu tenho uma vida mais estabilizada e sou muito grata”.

Logo depois, a atriz também relembrou o momento em que foi contratada para fazer o seriado “Subúrbia”. “Quando me falaram que o papel era meu, eu mal acreditei. Acho que só fui acreditar mesmo quando já estava gravando há alguns dias, porque é quase uma história de ficção”.

Posteriormente, Érika Januza disse que as mulheres negras não vivem em uma questão de igualdade e que elas não são “bonitas apenas”. Ela completou dizendo que o que os elogios são como “Nossa, que mulher negra linda!”.

Quando questionada sobre relacionamentos, a global disse ser discreta, mas de uma forma natural. “Todas as vezes que estive namorando sério, firme, nunca deixei de falar ou sair com a pessoa em lugares com fotógrafo. Mas não exponho nas redes. Não é muito o meu perfil, apenas isso”. A atriz completou dizendo que as pessoas só vão descobrir seu status de namoro após a quarentena.

Érika se abriu sobre religião e projetos paralisados

Érika disse que religião não se trata de eventos místicos. (Foto: Reprodução/Instagram)


A atriz afirmou durante a entrevista à Fábia Oliveira, que é católica e que possui uma fé muito forte. “É algo que minha mãe passou para mim! Rezo todos os dias, agradeço por cada conquista. Não seria ninguém sem a minha fé”.

Em seguida, Érika Januza comentou sobre o caso com a escola de samba “Grande Rio”. Em suma, a atriz foi desconvidada pela escola para desfilar no carnaval deste ano. “Tenho muito respeito pela escola. Eu sou aquela apaixonada pelo Carnaval e todo mundo sabe. Amo mesmo! Tivemos um contato, mas, infelizmente, as coisas não se ajustaram. E tudo bem!”.

Por fim, Érika falou das incertezas sobre a novela “Amor de Mãe”, que teve as gravações paralisadas devido à pandemia. “Eu ainda não sei como será esse retorno, mas eu estou muito feliz com esse trabalho. É uma história forte, com mulheres fortes e fico orgulhosa de fazer parte. Fomos surpreendidos por essa pandemia, por esse cenário tão triste e nossa história foi paralisada“.

Por: Adelmo Júnior

(Foto Destaque: Érika Januza. Reprodução/Rádio Agreste)

Related Article

0 Comentários

Deixe um comentário