A Lista da Lorena não perde tempo e, das 8 indicações ao Oscar, 5 estão listadas para maratonar

Lista da Lorena sempre de olho nas novidades não poderia deixar passar ileso as primeiras indicações para o próximo oscar. A Academia acaba de divulgar as primeiras produções indicadas para concorrer na Categoria de Melhor Filme. Além de nome como o Spike Lee na lista de indicados, o que nos chama a atenção é a quantidade de diretores mulheres na lista para concorrer à estatueta.



Portanto, nada mais sugestivo que conhecermos o que a 93ª edição do Oscar reserva a todos nós. A saber, longe das cenas de ação e guerra e, também das aventuras ficcionais, essa lista nos apresenta dramas bem mais reais. Assim, temas que abordam diretamente os dramas sócio-culturais, questões de representatividade, empoderamento, preconceito estão bem destacados nessa lista.

Então, “bora” conferir isso de perto. Pegue seu papel e caneta, ou seu dispositivo de anotações e faça também suas apostas. Quem será que vai levar a estatueta deste ano? O que significa para o Oscar uma indicação bem representativa como a que estamos aguardando assistir?

Leia mais: Lista da Lorena: grandes animações que ganharam o público

1.Iniciamos a Lista com A Assistente

Julia Garner protagoniza longa de Kitty Green e abre a nossa Lista com “A Assistente”. (Foto: Reprodução/Netflix)


Kitty Green é uma cineasta australiana. Bem como havíamos falado, a cineasta é a primeira dessa lista para concorrer à premiação. Decerto, é uma alegria para nós já, de cara, encontrarmos uma diretora entre os indicados à categoria. Contudo, aperte aí seu cinto, pois ela não será a única. Com a promessa de manter uma edição com maior representatividade, trazer nomes como Green é um grande avanço.

Contudo, A Assistente é um longa baseado no movimento #MeToo. No pôster oficial de divulgação, a atriz Julia Garner aparece ao lado de imagens borradas de mulheres. Qual a relevância desse longa para o oscar? O filme traz o drama dos escândalos sexuais com poucos diálogos, roteiro simples, mas bastante eficaz.

Conforme Green disse em entrevista, no mundo hostil do trabalho, os abusos acontecem sempre atrás das portas. “Não estou interessada se eu vou abrir essas portas. O que mais me preocupa é o que acontece quando essa porta é fechada”, disse.

 

 

2. Destacamento Blood

“Destacamento Blood” de Spike Lee. (Foto: Reprodução/Netflix)


Entre os primeiros nomes dessa lista, tinha que ter um nome de peso. E esse nome é Spike Lee. Essa não é a primeira vez que Lee sobe para a lista de indicações ao Oscar. Dessa vez, a produção que o exalta é Destacamento Blood. Spike Lee é um cineasta que deixa descarado em seus filmes que cinema é uma obra de arte de infinitas possibilidades. Destacamento Blood arrebanhou uma legião de críticas quando foi lançado. O longa é muito mais um desabafo engajado, que compreende que qualquer coisa é sempre múltipla e complexa. Do que um enorme amontoado de questões diversas (guerra, racismo, traumas psicológicos, ganância, etc).

A saber, o filme segue um grupo de quatro amigos e ex-veteranos da Guerra do Vietnã. Eles voltam à nação asiática para recuperar um tesouro escondido e rever os restos mortais do líder de seu esquadrão, Norman Holloway (interpretado por Chadwick Boseman, o nosso Pantera Negra). Porém, em sua jornada, eles vão ter que enfrentar os perigos da selva vietnamita e outras ameaças. Tudo isso enquanto fazem uma grande viagem ao passado.

Por fim, com roteiro de Lee em parceria com Kevin Willmott, Danny Bilson e Paul De Meo. Esse é o primeiro longa do diretor para a Netflix ainda conta com Delroy Lindo, Jonathan Majors, Clarke Peters.

 

 

3. Crip Camp: Revolução pela Inclusão

“Crip Camp: revolução pela Inclusão” de Nicole Newnham e James Lebrecht é o próximo indicado da nossa Lista. (Foto: Reprodução/Netflix)


“Crip Camp”, da Netflix com a produção de Higher Ground, trata da luta pelos direitos civis a partir de um acampamento nos Estados Unidos. A saber, o documentário “Crip Camp: Revolução pela Inclusão”, aprofunda-se em uma hora e quarenta e oito minutos de exibição. O longa-metragem é a segunda obra da produtora Higher Ground para a plataforma de streaming. No entanto, Nicole Newnham e James Lebrecht já trabalharam juntos em “Indústria Americana”. Este venceu a categoria de melhor documentário em longa duração no Oscar 2020. Ou seja, temos mais um concorrente de peso nessa lista.

Todavia, um grupo de jovens com deficiência, procuram, num acampamento um meio de viver mais felizes numa sociedade mais igualitária. O longa, simplesmente traz um enredo que nos leva a uma trilha de busca por igualdade. Mas, será mesmo, tão simples assim? Com o desenrolar do filme, o enredo nos mostra que a deficiência vai além daquilo que Lebrecht tenta mostrar.

Ao revelar as limitações e dramas pessoais, sociais, culturais e até sexuais, vemos que deficientes somos todos nós. Portanto, quem tem dificuldade em viver num ambiente humano e igualitário, tem deficiência social. O longa está disponível na Netflix.

 

 

4. Você Nem Imagina está de volta na Lista da Lorena

Ellie Chu (Leah Lewis) e Aster Flores (Alexxis Lemire. (Foto: Reprodução/Netflix)


Aliás, o trabalho da cineasta Alice Wu não para de nos surpreender. Sucesso de visualização na Netflix, o longa permaneceu no Top 10 por uma semana. No entanto, para quem, no início do filme, não parecia revelar uma história emocionante, Você Nem Imagina “jamais imaginou”, chegar no Oscar.

Ademais, a protagonista Ellie Chu (Leah Lewis) diz que aquela não é uma história de amor e está certa. Pelo menos, não o amor convencional, tradicional, mas um amor especial. Assim, o filme da Netflix passa longe de ser uma comédia romântica adolescente comum. O longa é de fato cheio de boas ideias. Alice Wu é a diretora, roteirista e produtora da produção.

Enfim, o longa, parece nos direcionar para um triângulo de relações, confusões, questões juvenis. O tema da orientação sexual é prato cheio nesse trabalho que a Wu desenvolve com um toque bem harmonioso. A “elasticidade” com que os personagens vão conduzindo a história faz-nos com que nos sintamos leves com, seja qual for, o final à qual está disposto a ter.

 

 

5. Concluímos a Lista com mais uma produtora: Lost Girl: Os Crimes de Long Island

Lost Girls – Oona Laurence, Amy Ryan, Thomasin McKenzie, Miriam Shor. Encerra a nossa Lista dessa semana. (Foto: Reprodução/Netflix / Jessica Kourkounis)


Enfim, o nome dela é Liz Garbus. Mais uma diretora mulher na lista de indicações para o Oscar. Lost Girl é o trabalho responsável pela visibilidade. O longa traz um enredo baseado numa história real.

Contudo, a trama também teve como base o livro de Robert Kolker Lost Girl: Na Unsolved American Mistery. O longa traz a história de uma mãe que, de repente está diante do desaparecimento de sua filha. Então, no desespero para encontrar a filha desaparecida, ela procura a verdade e ajuda a expor uma série de assassinatos não resolvidos.

Portanto, Garbus conduz-nos a uma história que mistura o suspense com a angústia de uma mulher que não deseja outra coisa, senão, a justiça. Enfim, vista diante de crimes não resolvidos, encontrar sua filha torna-se mais um caso que, se não for por sua garra, será engavetado.

 

 

A Lista da Lorena espera trazer mais novidades fresquinhas

Enfim, a Lista se encerra com esses cinco nomes bem representativos. Além de curtir uma boa maratona, ficamos por dentro do que o Oscar tem para nos ofertar. A saber, os nomes de Peter Cattaneo (com o trabalho Military Wives) e Walt Dohrn (com Trolls 2), também foram apontados.

Além do mais, a produtora Eliza Hittman também está na lista de indicações com Never Rarely Sometimes Always. Enfim, se sobrar um tempinho, vale a pena dar uma conferida nessas produções também.

 

 

Por: Dione Afonso

(Foto Destaque: Lost Girls: Os Crimes de Long Island é um trabalho de Liz Garbus também indicado ao Oscar 2021. Reprodução/Netflix)

Related Article

0 Comentários

Deixe um comentário