As mensagens foram enviadas para o número pessoal da ativista

Decerto, a modelo e ativista Luiza Brunet (58), chamou bastante atenção logo após terminar sua relação com o empresário Lírio Parisotto, o acusando de agressão. Desde então, Luiza sofre ataques e perseguições na internet, e neste sábado (25), foi vítima de mensagens ofensivas enviadas diretamente para o seu número pessoal. Inconformada com a situação, a ativista decidiu expor o caso para os seguidores.



Luiza Brunet postou um print das mensagens que recebeu na madrugada, sendo chamada de hipócrita e em seguida questionou o que leva uma pessoa a tomar tal atitude. “A pergunta é o que leva um ser humano a esta atitude ? Procurar o meu número de celular e na madrugada mandar esse tipo de mensagem. Qual é a motivação ou quem a motivou!”. Além disso, o “fantasma da madrugada” (como foi apelidado pela modelo), acusou Luiza de exercer de forma ilegal os serviços de uma autoridade pública.


Sem dúvida, esta não foi a primeira vez que Luiza recebeu mensagens ofensivas. (Fotos: Reprodução/Instagram)


Logo depois de denunciar as mensagens que recebeu, Luiza ganhou apoio de diversos seguidores e organizações que lutam a favor da causa. “Você pode ir na Delegacia de Crimes Virtuais e registrar Queixa. Eles chegam até o IP do computador ou celular que partiu as mensagens”, recomendou uma seguidora. “É um desmotivado da vida. Do real viver!”, lamentou outra internauta. “Tempo de muita intolerância!!”, também foi um dos comentários deixados.

Luiza Brunet colocou um ponto final na sua relação com Lírio devido às agressões que afirma ter sofrido. No mês de junho de 2017, Lírio foi condenado por lesão corporal e precisou ficar preso por um ano em regime aberto, além de prestar serviços comunitários por mais um ano. No entanto, Lírio nunca assumiu o crime.

Em Live, Luiza Brunet explica porque denunciou o ex-companheiro

Luiza lidou com agressões desde nova. (Foto: Reprodução/Veja)


A modelo Luiza Brunet participou de uma Live no Instagram da Antônia Frering na última quarta-feira (22). A princípio, a ativista falou sobre violência contra mulher e o que a motivou criar projetos sociais.

Durante o bate-papo, Luiza explicou o motivo pelo qual denunciou Lírio Parisotto. “Eu não queria virar estatística. Cada vez que eu me olhava no espelho eu tinha mais certeza que precisava fazer a denúncia”.

Leia mais: Rízia Cerqueira fala sobre comentários gordofóbicos

Na época que sofreu as agressões, Luiza já participava de alguns programas que abordavam o tema. “Quem me julgou me levou a ser o que sou hoje. Por essa razão decidi me qualificar, ouvir outras histórias para dar voz a quem não tem condições de se colocar na mídia”, afirmou.

Posteriormente, Luiza fez questão de ressaltar a importância das redes sociais no processo de denuncia. “As mulheres precisam se manifestar. As redes sociais é a melhor forma de chamar atenção, cobrar por políticas, se posicionar. Usar das plataformas digitais para denunciar e ajudar quem sofre. [As redes sociais] tem o poder magnífico para colocar ideias e nossos pedidos de socorro”.

Decerto, Luiza lida com a agressão contra mulheres desde cedo, já que sua mãe foi uma das vítimas deste crime. Além disso, segundo a modelo, sua avó também sofreu com isso e disse que na época era “neutralizado. Ademais, Luiza contou que precisou procurar emprego muito nova devido às condições financeiras e que sofreu abuso sexual quando trabalhava como empregada e aos 13 anos foi vítima de abuso sexual.

“Quando eu sofri violência aos 54 anos percebi que passei por uma série de abusos, fiz mais de 150 falas com mulheres sobre importância de revisitar a própria história”, explicou.

Por: Adelmo Júnior

(Foto destaque: Luiza Brunet. Reprodução/Roberta Jungmann)

Related Article

0 Comentários

Deixe um comentário