No aniversário de 70 anos do Maracanã, veja alguns shows que fizeram história

Quando se fala do Maracanã, automaticamente pode vir na sua mente um tabernáculo do esporte. O que não é diferente nesta semana, quando ele completa 70 anos, com os veículos lembrando, principalmente, os eventos esportivos. Inaugurado para a Copa do Mundo de 1950, o estádio Jornalista Mário Filho é um local que é marcado pelas conquistas esportivas que por ali foram vistas. Neste sentido, o Maraca sediou duas finais de Copa, Olimpíadas, PanAmericano e vários momentos emblemáticos para o nosso país. Porém, da mesma forma que ele abriga torcedores todos os cantos, o “Maraca” também é uma passarela que vai além do desfile dos artistas esportivos.



Leia mais: Maggie Smith se reunirá ao elenco de novo drama irlandês

“Levantou poeira”, “Ana Júlia”, “Eu sou brasileiro” e tantos outras músicas tiveram versões especiais e foram entoadas das arquibancadas. Assim, o estádio se tornou um palco da expressão pura da celebração da cultura, de todas as camadas sociais do nosso povo. Dessa forma, engana-se quem pensa que isso se restringe ao futebol, pois como um bom espaço democrático, ele cedeu lugar para shows históricos. Pensando nisso, nós, do site Lorena Bueri, vamos mostrar um pouco o Maracanã que vai além do grito de gol.

Maracanã: conexão entre Nova Iorque e o Rio de Janeiro

Sem dúvidas, a grande abertura do Maraca para a música começou em 1980. Dessa forma, como uma grande “inauguração”, um dos maiores cantores de todos os tempos fez um dos shows mais memoráveis de todos os tempos. Com uma voz inconfundível e com direito até um beijo de um homem que invadiu o palco, Frank Sinatra marcou o primeiro megaconcerto no estádio. Aliás, acompanhado de uma platéia de 170 mil pessoas e uma orquestra com mais de 40 músicos, ele cantou seus sucessos. Como uma das cenas mais incríveis, Sinatra cantou “New York, New York” e levou o público ao delírio e estremeceu o Brasil.


DVD Fantástico 30 anos. Reprodução/Som Livre.


Um enredo de gols e Rock

Pegando o bordão, o Rock também disse “O Maraca é nosso!”. Em 1983, o Kiss veio para o Rio para golear, e não deu outra: 137 mil pessoas e uma apresentação impecável. A partir daí, várias outras personalidades do rock começaram a tocar no estádio. Em 1990 e 1991, Paul McCartney e o Rock in Rio balançaram o estádio como em dias de “FlaxFlu”. O ex-Beatle, por exemplo, cantou para um público de 184 mil pessoas, sendo esse o maior recorde de shows musicais até hoje.

No ano seguinte, o Maracanã recebeu o primeiro e único Rock in Rio realizado em um estádio. Assim, Guns N’Roses, Faith No More e Prince eternizaram um dos maiores eventos na Cidade Maravilhosa. Contudo, em 1995, o Rolling Stones redefiniu todo o conceito de “baile no Maraca”. Na sua primeira vez no Brasil, a banda tocou para mais de 140 mil pessoas.


                                                                            Reprodução/TV Globo


As divas entram em campo

E quem falou que o Maracanã não é espaço para as mulheres? Divas nas arquibancadas, no gramado e também na cobertura pela imprensa, não poderia ser diferente na música. Em 1988, em ritmo de carnaval, Tina Turner se consagrou em um concerto para mais de 180 mil pessoas. Assim, transmitido ao vivo para todo mundo, o evento entrou para o “Guinnes Book” como o maior show já feito por uma cantora solo.

Por outro lado, em 1993, foi a vez de Madonna balançar o Rio. Levando 120 mil pessoas à loucura, a Rainha do Pop até cantou uma versão em inglês de “Garota de Ipanema”. Em 2008, ela voltou ao Maracanã. Representando a música brasileira, a cantora Ivete Sangalo se consagrou em 2006. Com 50 mil pessoas na gravação do seu CD e DVD, o álbum vendeu 800 mil cópias e bateu recordes.


Reprodução/Youtube


As apresentações dos grupos “teens”

É claro que com as reformas para readequar e melhorar a segurança, a capacidade do estádio começou a cair nos anos 90. Porém isso não tiraria o brilho do velho Maraca. Em 2001, 70 mil pessoas viram o grupo Backstreet Boys fazer uma apresentação repleta de canções que embalavam a juventude da época, como “I Want It That Way”.


 Sandy & Junior. Reprodução/Universal Music


Igualmente, outro grupo que agitou os jovens foi RBD, em 2006. Assim, os protagonistas da novela “Rebelde” levam ao estádio cerca de 45 mil expectadores. Filhos do cantor sertanejo Xororó, da dupla Chitãozinho e Xororó, Sandy & Junior nasceram para brilhar. Em 2002, quando o Brasil tinha acabado de vencer a sua quinta Copa do Mundo, a dupla vivia o seu auge. No Maracanã, eles fizeram um show para mais de 70 mil pessoas. Além disso, foi a primeira atração brasileira a se apresentar no estádio.

Por: Sidney Araujo

(Foto destaque: Maracanã 70: um espaço da música e do povo. Reprodução/O Globo)

Related Article

No Related Article

0 Comentários

Deixe um comentário