Segundo o diretor do programa de emergências da OMS, a América do Sul é considerada o novo epicentro da Covid-19 e o Brasil é o país mais afetado

De acordo com o diretor do programa de emergências da Organização Mundial de Saúde (OMS), Michael Ryan, a América do Sul é considerada o novo epicentro da pandemia da Covid-19. Durante coletiva de imprensa realizada nesta sexta-feira (22), Ryan foi questionado sobre se a OMS estava dando algum tipo de assistência específica ao Brasil. “Em termos de resposta, nossos colegas na OPAS (Organização Pan-Americana da Saúde, entidade da OMS no continente americano) estão fornecendo ajuda direta ao governo e a muitos dos estados que estão sendo duramente afetados, incluindo o Amazonas“, respondeu o diretor.



Na última quinta-feira (21), o país registrou um novo recorde de mortes diárias, com 1.188 óbitos. No total, 20.541 mortes foram provocadas pela Covid-19 e 319.069 casos confirmados da doença em todo o país, segundo o portal de notícias G1. Aliás, o Brasil é o terceiro país no mundo com o maior número de casos confirmados da doença, atrás de Estados Unidos e Rússia. “De certa forma, a América do Sul se tornou um novo epicentro para a doença. Vimos muitos países sul-americanos com aumento do número de casos, e claramente há preocupação em muitos desses países. Mas certamente o mais afetado é o Brasil neste momento”, comentou Ryan.

Leia mais: Bebidas alcoólicas: Por que o consumo aumentou durante o isolamento social?

População circula normalmente no Rio de Janeiro. (Foto: Reprodução/Uol/Congresso em Foco)


“A maioria dos casos é da região de São Paulo, mas também Rio, Ceará, Amazonas, Pernambuco estão sendo afetados. Mas em termos de taxas de ataque, as mais altas estão, na verdade, no Amazonas. Cerca de 490 pessoas infectadas para cada 100 mil habitantes, que é uma taxa de ataque bem alta“, explicou Michael.

Cloroquina e hidroxicloroquina não são recomendadas para combater a Covid-19

Não há eficácia comprovada de que a cloroquina e hidroxicloroquina possam combater a doença. (Foto: Reprodução/Portal Projeta)


Michael Ryan ainda comentou sobre o uso da cloroquina e hidroxicloroquina, medicamentos que estão sendo bastante comentados durante a pandemia. Além disso, deixou claro que a OPAS não apoia o uso dos medicamentos para combater a Covid-19. “Nós também notamos que o governo do Brasil aprovou a hidroxicloroquina para uso mais amplo, mas ressaltamos que nossas revisões clínicas sistemáticas atuais realizadas pela Organização Pan-Americana de Saúde (Opas) e a evidência clínica atual não apoiam o uso generalizado de hidroxicloroquina para o tratamento da Covid-19 – não até que ensaios [clínicos] sejam concluídos e nós tenhamos resultados claros”, disse Ryan.

Ademais, o diretor do programa de emergências da OMS destacou ainda que a cloroquina possui efeitos colaterais sérios. “A recomendação é que seja usada apenas contra doenças em que tenha eficácia comprovada. Contra a Covid-19 ainda não existe essa comprovação. Por isso, a nossa recomendação é que seja usada apenas em testes clínicos sobre o controle dos médicos”, explica Michael.

Por: Raianne Romão

Imagem em destaque: (Reprodução/Duna)

 

Related Article

0 Comentários

Deixe um comentário