Com histórias japonesas de terror, Spectros é uma produção brasileira com cara de série “teen” norte-americana

Nesta semana, a Netlfix disponibilizou em seu catálogo um novo produto para os amantes de terror: Spectros. A série foi feita no Brasil e tem algumas carinhas conhecidas pelo público daqui, como Daniel Rocha e Danilo Mesquita. Embalada pelos sucessos de língua “não-inglesa”, a Netflix continua investindo na diversidade de produções. Inclusive, tem uma matéria nesse site que fala sobre 5 excelentes produções espanholas desconhecidas que vão te surpreender.  O enredo traz consigo um ar de suspense com a mistura de recursos de alívio cômico para tentar quebrar o clima. A história foi escrita e dirigida por Douglas Petrie, que foi responsável por escrever e dirigir Buffy The Vampire Slayer. No roteiro, o seu forte é a exploração de contos antigos de fantasmas japoneses.



Conhecido na TV, Daniel Rocha vive policial em Spectros. (Reprodução/TV Globo)

Como é a história?

Tudo acontece no bairro da Liberdade, em São Paulo, quando cinco adolescentes acabam se envolvendo em uma realidade sobrenatural. O interessante é que o presente está conectado com eventos de 1858. Enquanto tentam descobrir quem é que está trazendo os mortos de volta à vida, os jovens precisam enfrentar os espíritos que buscam vingança. Em meio aos contos de personagens bizarros, a história também traz casos naturais, como presença da máfia e, principalmente, conflitos adolescentes que estão sempre presentes em filmes e série do gênero “teen”.

Leia mais: Elenco de Friends confirma novo episódio especial

Mas vale a pena assistir Spectros?

Segundo Douglas Petrie: “Spectros é uma mistura incrível do folclore brasileiro e a História. Tem elementos dos contos de fantasmas japoneses mais assustadores que encontramos. Ela é representada pelas ruas coloridas da Liberdade e vista pelos olhos de adolescentes”. Spectros não é uma série perfeita, já que contém alguns recursos que já foram vistos em outras produções parecidas. Contudo, ela é uma boa pedida para quem quer apenas se divertir despretensiosamente. Além do mais, a ideia tem um grande potencial que pode ser explorado numa possível sequência. Com apenas 7 episódios de duração em média de 40 minutos, também é perfeita para quem não curte “maratonar” séries longas.

Por Sidney Araujo

 

 

Related Article

0 Comentários

Deixe um comentário