Suga movimentou as redes sociais dos fãs e haters com a polêmica

Decerto, o cantor de K-Pop e integrante do grupo BTS, Suga (27), causou uma grande polêmica na noite desta sexta-feira(29). Isso porque o rapper sul-coreano foi acusado de utilizar, em uma de suas músicas, um trecho de um discurso de um líder religioso. Este, por sua vez, foi responsável por matar mais de 900 pessoas.



A música foi intitulada de “What Do You Think”, ou “O Que Você Acha”, em português, e faz parte da mixtape nomeada de “D-12”. Ela é assinada pelo alter ego de Suga, August D. O trecho polêmico da canção diz o seguinte. “Embora você esteja morto, você viverá, e aquele que vive e crê nunca morrerá”. A frase é conhecida por ter sido dita pelo pastor Jim Jones, que envenenou 902 pessoas, em que destas, eram 304 crianças .

O assunto foi bastante comentado pelos fãs no Twitter. (Foto: Reprodução/Suco de Mangá)


Não demorou muito para que os seguidores percebessem que, no início da música, havia uma voz diferente, de um outro homem, que neste caso era Jim Jones. Posteriormente, fãs e haters de Suga encheram as redes sociais de críticas e questionamentos sobre o trecho da música. No entanto, até o presente momento, nem Suga e nem a Big Hit Entertainment se manifestaram a respeito do assunto.

Porém, alguns fãs acreditaram que o rapper sul-coreano não tinha sido o responsável por encaixar a frase polêmica na música, mas as teorias não foram muito longe. Isso aconteceu porque um trecho do documentário “Bring The Soul”, de 2019, mostra o cantor na produção da música.

Suga falou sobre a música em uma Live

A Live feita por Suga ajudou a entender o objetivo da música. (Foto: Reprodução/KoreaPost)


Nesta sexta-feira, Suga fez uma Live e comentou sobre a letra de “What Do You Think”. O cantor descreveu a música como “uma faixa que descreve sua raiva contra os odiadores maliciosos do passado”.

Além disso, ele revelou que sofreu por “colocar ou não está música”. Em seguida ele disse que na música passou por “muitas séries de reescritas”. Suga também contou que “as palavras eram originalmente mais fortes. Mas não é assim que me sinto agora“.

Leia mais: Artistas se manifestam sobre o caso de George Floyd

Posteriormente, o rapper disse em sua Live: “E se eu não tivesse revisado a letra, bem… Eu nem quero pensar nisso. Teria sido um choque enorme”.

No entanto, fãs afirmam que Suga utilizou a frase de Jim Jones pelo fato deste último ser anti-sul-coreano e apoiar a ditadura da Coreia do Norte. Em suma, é como se Suga quisesse mostrar a Jim Jones onde a Coreia do Sul chegou com os sucessos do K-Pop.

Entenda quem foi Jim Jones

Jim Jones causou um suicídio em massa. (Foto: Reprodução/Wikipedia)


O pastor Jim Jones ficou conhecido por ser líder de um culto chamado “Tempo do Povo” e por ter causado a morte e mais de 900 pessoas. Foi na década de 1970, que Jim Jones decidiu viver na Guiana, onde organizou uma comunidade autossustentável, que levava o nome de “Jonestown”.

No dia 18 de novembro de 1978, foram registradas as mortes causadas pelo líder religioso. Anteriormente, em 15 de novembro, os moradores de Jonestown receberam a visita do congressista Leo Ryan. A visita aconteceu porque ele foi informado de que abusos estariam acontecendo no local. A princípio, Leo Ryan tive uma boa recepção por Jim Jones, mas decidiu ir embora após ter sofrido uma facada de um dos moradores locais.

Decerto, Ryan não estava sozinho na hora de ir embora, já que foi acompanhado por 15 integrantes da comunidade. A princípio, Jim Jomes não se incomodou com a atitude de tais moradores. Porém, quando estes estavam perto de embarcar, os seguranças de Jonestown atearam fogo contra os ex-moradores.

Naquele mesmo dia, Jones envenenou 909 pessoas com cianeto de potássio e calmantes. O líder religioso ordenou que as pessoas bebessem um refresco para “serem salvos”. Muitos tomaram a bebida por ameaças dos guardas locais. “Digo a vocês, não me importo de quantos gritos vocês tenham que ouvir, não importa quanto choro agonizante. A morte é um milhão de vezes melhor que mais 10 dias desta vida. Se soubessem do que está adiante de vocês, ficariam felizes de estarem partindo esta noite”, disse Jones por um alto-falante, antes de se matar com um tiro na cabeça.

O ocorrido levou o nome de “A Última Noite Branca”, pelo fato de que Jones fazia simulações de suicídios em massa, os quais eram chamados de “Noites Brancas”.

Por: Adelmo Júnior

Imagem em destaque: (Foto: Reprodução/YouTube)

Related Article

0 Comentários

Deixe um comentário